Passar para o Conteúdo Principal

brasao cm chaves

pesquisar
 

Chaves vai poupar 1,4 mil milhões de litros de água

Water 2825771 1 1024 2500
04 Janeiro 2022

Novo Projeto de Eficiência Hídrica vem juntar-se à estratégia de eficiência na gestão do abastecimento de água, iniciada em 2018, que já permitiu uma redução de cerca de 20%

O município encontra-se a desenvolver um amplo Projeto de Eficiência Hídrica com o objetivo de reduzir as perdas de água ao longo das redes de abastecimento do concelho. Para além do benefício ambiental, esta ação já permitiu uma redução real das perdas na ordem dos 19,5%, nos últimos quatro anos.

O plano de investimento, ao abrigo da Estratégia de Eficiência na Gestão do Abastecimento de Água, encetada em 2018, representa já um investimento municipal de cerca de um milhão e meio de euros.

Na prossecução da estratégia, o município tem em curso um novo Projeto de Eficiência Hídrica com Remuneração por Desempenho, que pretende alcançar uma redução para cerca de metade dos seus valores atuais, num prazo de cinco anos, representando uma poupança para o erário municipal de 2,3 milhões de euros.

Para alcançar as metas traçadas, serão avaliadas o conjunto de necessidades de reabilitação de infraestruturas, implementadas ferramentas de inteligência artificial que permitirão analisar os dados recolhidos e apoiar na rápida atuação no terreno para eliminação de fugas ao longo dos 495 km de redes de água do concelho e ainda, reduzir a pressão em zonas críticas, de forma a diminuir o número de roturas e os gastos associados à resolução das mesmas.

Já ao nível comercial, será levada a cabo a deteção e eliminação de consumos e ligações ilícitas e ainda avaliada a renovação do parque de contadores, para tornar mais eficiente a medição e faturação do serviço prestado aos clientes.

Recorde-se que segundo o Relatório elaborado pela Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos, em 2018, o Município de Chaves situava-se como o terceiro município do país com maior desperdício de água. Nesse ano, pelas contas do regulador, o valor do desperdício andava na ordem dos 70%, representando, assim, um forte impacto financeiro negativo para os cofres municipais.